Como lidar com emergências de saúde na escola?

Postado em 17 de Maio de 2016 na categoria EDUCAÇÃO E PEDAGOGIA

blog-coordenadoras-eduarda-emergencias-saudeA cena é corriqueira: tudo parece tranquilo na aula quando, de repente, no meio da brincadeira, um aluno cai e se machuca. Também não é raro ver crianças sentindo dores de cabeça, de estômago ou sintomas de resfriado. Algumas já chegam à escola com algum problema e a mãe se encarrega de mandar um remédio na mochila.

Por mais simples que sejam, problemas que afetam a saúde e o bem-estar dos estudantes deixam professores e gestores apreensivos. A equipe sabe que há uma determinação do Ministério da Educação (MEC) que proíbe oferecer qualquer tipo de remédio sem receita médica, mas se sente impelida a fazer alguma coisa para amenizar os sintomas, dando aquele analgésico infalível ou mesmo um chazinho que é tiro e queda.

Diante desse dilema, nós, coordenadores pedagógicos, precisamos exercer nosso papel de orientadores da equipe e encontrar caminhos para lidar com essas situações clássicas na rotina escolar. Elas exigem informação prévia sobre como agir.

Aqui onde trabalho, o regimento interno já prevê o que fazer em cada caso, e os procedimentos são divulgados com a maior clareza possível, para que alunos, professores e a comunidade fiquem tranquilos. Essas são algumas das ações que costumo adotar, em parceria com a direção:

E você, coordenador, como orienta a equipe docente a agir nessas horas? Abraços, Eduarda.

Texto por: Eduarda Mayrink

Fonte: Gestão Escolar – Grupo Abril


Pesquisa por tags relacionadas:

|

Seja o primeiro à comentar!

Deixe o seu comentário!

© 2016 Censea Ocana Assessoria Contábil. Todos os direitos reservados. Criação de