Tem um estagiário de Pedagogia ou Licenciatura em minha sala de aula. E agora?

Postado em 18 de agosto de 2016 na categoria EDUCAÇÃO E PEDAGOGIA

blog-questao-de-ensino-estagio-docenteA cada semestre letivo, as escolas de Educação Básica recebem estagiários de Pedagogia e dos cursos de Licenciatura. Grande parte da expectativa desses estudantes está no encontro com o professor, a classe e na possibilidade de conhecer a rotina escolar.

É durante esse período que muitos dos futuros professores terão a primeira oportunidade prática de realizar procedimentos de diagnóstico, atividades de observação e docência assistida. Os grandes objetivos do estágio são poder observar e refletir sobre os conhecimentos profissionais em ação e colaborar, com assistência, com o trabalho pedagógico. Assim, esta atividade curricular obrigatória na graduação transforma a escola em um espaço privilegiado da formação inicial e os professores como formadores dos novos docentes.

Como professora de Estágio na Universidade, identifico que essa tarefa de professor-formador nem sempre está clara para os regentes e alguns equívocos são identificados nessa relação. Um exemplo disso são os profissionais que se recusam a receber os estagiários em suas classes ou aqueles que os consideram substitutos temporários e abandonam os graduandos, sem assisti-los devidamente.

Mas como o regente da turma pode receber um estagiário em sua classe e colaborar de fato para sua formação? Compartilho algumas sugestões que considero importantes para refletir sobre esse papel:

– A Lei nº 11.788, de 25 de setembro de 2008, regulamenta o estágio e define a natureza das atividades a serem realizadas pelos estudantes. Ela deve ser conhecida e seguida por todos os profissionais envolvidos;

– Prepare-se para esse processo. Estude, por exemplo, sobre a ideia de ateliê de formação, como é proposto na segunda parte do livro Educando o Profissional Reflexivo: Um Novo Design para o Ensino e a Aprendizagem, de Donald Schon. O autor oferece pistas para a construção dessa relação de formação envolvendo um profissional com expertise e um aprendiz;

– Realizar o estágio é um direito do estudante que deve ser acolhido pela comunidade escolar e incluído nos rituais pedagógicos, por meio de parcerias formalmente estabelecidas com as faculdades de Licenciatura e Pedagogia;

– No primeiro dia, apresente o estagiário para a turma e explique, de modo simples e objetivo, por que ele está ali, quanto tempo ficará e o que fará. Isso ajuda que os alunos se sintam seguros com a presença desse visitante;

– O estagiário não deve substituir o professor em nenhuma circunstância. Ele deverá atuar sempre sob a supervisão do regente em sala;

– Ocupe o lugar de profissional experiente e que serve de inspiração para o aprendiz. Algumas estratégias são bem valorizadas pelos estudantes em seus relatórios de estágio, como compartilhar com documentos pedagógicos relevantes como projetos em andamento na sala de aula, planos de aula, diagnósticos das crianças, registros e acompanhamento dos estudantes. Outra atividade que se destaca é dar orientação de leitura e reservar um tempo para dialogar com o futuro professor sobre as percepções que ele tem dessa prática pedagógica, questionamentos e possíveis contribuições e instigue o estudante a realizar reflexões sobre a prática educativa e registrá-las;

– Para muitos que ainda estão em formação, a experiência de dar aulas é uma tarefa complexa. Por isso, nas atividades de docência assistida, conheça e contribua com a programação das aulas e apoie o estagiário na superação de desafios;

– Além do dia a dia da sala de aula, incentive que o estagiário participe de reuniões de planejamento, de reuniões de pais e de atividades que possam ampliar a visão dele sobre as práticas institucionais, seus avanços e desafios;

– Ocupe com mais conforto esse lugar de professor-formador com a leitura do livro Professores Imagens do Futuro Presente, de Antonio Nóvoa. O segundo capítulo, intitulado Para uma formação de professores construída dentro da profissão, nos permite refletir que é preciso trazer a formação docente para dentro da profissão de modo que educadores da Educação Básica formem colaborativamente com as universidades os futuros professores;

– Não tenha medo de se expor. Converse sobre os desafios da profissão com o estagiário. Assim, este também poderá ser um processo formativo para você.

Tem mais dicas sobre esse tema ou outras dúvidas sobre sala de aula? Compartilhe nos comentários, abaixo! Sua dúvida pode ser respondida aqui no blog Questão de Ensino.

Fonte: NovaEscola


Pesquisa por tags relacionadas:

|

Seja o primeiro à comentar!

Deixe o seu comentário!

© 2016 Censea Ocana Assessoria Contábil. Todos os direitos reservados. Criação de